Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2019 10:13 Ver em Português See in English Ver en Español
Pesquise na Abraman:
Digite algo
Facebook Linkedin Twitter Youtube
Cursos e Eventos / Representação Regional Sul
Planejamento e Controle da Manutenção - PCM - 21 a 24 de setembro de 2015

PROGRAMA

Desenvolver habilidades nas técnicas de Gerenciamento de Manutenção e de Planejamento e Controle de Manutenção. Indicar objetivos, organizando atividades, planejar e programar o uso da mão de obra e dos equipamentos, partindo de uma situação sem planejamento, entrando no planejamento manual e indicando os pontos principais na interface entre o usuário e o computador, facilitando o diálogo de seu pessoal especialista em informática com o executante da manutenção e clientes. Possibilitar avaliação da situação da manutenção na empresa e usar indicadores adequados.

PÚBLICO ALVO

Engenheiros, técnicos e profissionais, supervisores de turmas e de equipes de manutenção, profissionais de programação e controle de manutenção, engenheiros que estejam iniciando na área de Planejamento e Controle de Manutenção, ou já com alguma experiência.

DATA, HORA E LOCAL

DE 21/09 A 24/09 de 2015
DAS 08:00H AS 17:30H
Representação Regional Sul (Rua Emiliano Perneta, 174 - 6º andar - Centro - Curitiba - PR)

INSTRUTOR.
Gil Branco Filho.

Engenheiro Eletricista e Eletrônico, pós-graduado em Engenharia Econômica, com especialização em Automação Naval, na Inglaterra. Possui mais de 50 anos de experiência em Manutenção e diversos trabalhos publicados nas áreas de Engenharia de Manuten-ção e Planejamento e Controle de Manutenção, no Brasil e no Exterior. É instrutor de Técnicas de Gerenciamento da Manutenção, Estatística da Falha, Confiabilidade, Plane-jamento e Controle, Padronização de Índices de Manutenção, Organização de Manuten-ção. Autor dos livros Dicionário de Termos de Manutenção, Indicadores e Índices de Ma-nutenção e A Organização, o Planejamento e o Controle da Manutenção e Custos em Manutenção.

PROGRAMA

1.1    - A GESTÃO DE ATIVOS.
Noções de Gestão de Ativos. Noções de "PAS-55:2008" e "ISO 5500:2014"

Gestão de Ativos Físicos, Gestãode Ativos Humanos, Gestão de Ativos Financeiros, Gestão da Informação e Gestão de Ativos Intangiveis.

Exemplos de Indicadores de Gestão destes cinco ativos, mensurados em Capacitação da Manutenção e mensurados em Desempenho.


1.2    - A GESTÃO DA MANUTENÇÃO.
A Função Manutenção. Funções básicas da Gerência de Manutenção, suas atribuições e suas finalidades. O que se espera da equipe de Manutenção.


1.3    - A ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO.

1.3.1     - A Organização.
Porque e como organizar-se.
Estruturas da Manutenção e tipos de Organizações de Manutenção. Estudos comparati-vos com o Documento Nacional 2013, incluindo dados históricos.

1.3.2    - Estratégias de Manutenção.
Principais Estratégias e Atitudes de gerenciamento a serem usadas com suas vantagens e desvantagens. Sugestão sobre como escolher a estratégia mais adequada para sua empresa.

1.3.3    - O Manual de Organização da Manutenção.
Para que serve o manual. Vantagens e Desvantagens deste Manual. Preparação e delineamento com os itens mínimos necessários. O que deve constar. Exemplos de manuais montados. Como fazer a aprovação deste Manual na sua Empresa e como revisar. A dis-tribuição do Manual: para quem e por que. Exercício sobre montagem de um manual.

1.3.4    - Definições e Terminologia.
Definições e justificativas sobre os diversos significados das palavras em Manutenção, e seus usos mais frequentes, citando-se o significado de cada termo e suas variações con-forme normas de diversos paises, e com o uso do Dicionário de Termos de Manutenção e com exercício para fixação do significado dos termos usados durante o treinamento.

1.3.5     - Classificação de Equipamentos
Definições e classificações de tipos de equipamentos e sua importância no processo, na qualidade, na segurança das instalações e no serviço de manutenção.

Estabelecimento de estratégias para cada tipo de equipamento em seu programa de manutenção preventiva sistemática.

Hierarquização de itens.

Exercícios para fixação do significado dos termos.

1.3.6    - A Evolução da Manutenção
Alguns dados sobre a evolução da Manutenção no século passado e neste.

1.3.7    - Tipos de Organizações de Manutenção possíveis e sua posição na hierarquia da empresa.
Manutenções centralizadas, descentralizada e mista. Fatores de decisão na escolha de cada tipo de organização. Tendências atuais conforme compilado no Documento Nacio-nal 2009 e anteriores. Organogramas e Layout de organizações atuais e recomendações.

1.3.8    - A Manutenção na Hierarquia da empresa.
A quem manutenção deve ser subordinada. Estudos de vantagens e desvantagens de cada tipo de subordinação básica e com comparação com dados atuais, conforme compi-lado no Documento Nacional 2013 da Abraman e em anteriores.

1.3.9    - A Seção de Planejamento e Controle da Manutenção na Empresa.
O que se espera do PCM. Vantagens e Desvantagens, Descrição de atribuições dos componentes da Seção. O papel do Programador e do Planejador. Causas de insucesso do PCM e de perdas de produtividade na execução de tarefas. Fatores de aumento de produtividade.

1.3.10    - Requisitos Básicos do Pessoal de Manutenção.
Detalhamento do que se espera de cada cargo. O Apontador, o Programador, o Supervisor e os Encarregados. A visão do TQC sobre o pessoal e as funções.

1.3.11    - A Capacitação do Pessoal e das Oficinas.
A equipe de manutenção e o seu treinamento.
Os programas de treinamento e de quem é a responsabilidade deste treinamento. O pa-pel dos gerentes e do RH no treinamento e no desempenho da equipe.

1.3.12    - Sintomas de Gerenciamento inadequado.
Sintomas típicos de uso de estratégias inadequadas no gerenciamento, como reconhecer e o que fazer.

1.4    - A IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE MANUTENÇÃO
1.4.1    - Controles Manuais e Informatizados.
Vantagens e Desvantagens do Controle de Manutenção manual e do controle informatizado. "Softs" especialistas: Desenvolver ou comprar. Os passos básicos e dificuldades iniciais de escolha e de controles.

1.4.2    - Sequência de Implantação.
Descrição dos passos básicos para a implantação de um PCM informatizado.

1.4.3    - Atribuições da Manutenção.
Descrição das atribuições básicas e mais freqüentes e diversas outras tarefas atribuídas à equipe de manutenção.

1.4.4    - Cadastramento.
Porque fazer um Cadastro. Tipos de Cadastros e seus códigos de cadastramento. A im-portância destes códigos na confecção de históricos, do processamento e da busca da Informação e para estudos de confiabilidade. Cadastros de Equipamentos para peque-nas e médias empresas. Exercício.

1.4.5    - Codificação de Equipamentos em Manutenção.
Códigos de Identificação de itens cadastrados: equipamentos, seções, pessoas, etc.. A importância do código na confecção do Histórico e no estudo da Confiabilidade de equi-pamentos. Exercício.

1.4.6    - Prioridades de Atendimento.
Diversas maneiras de determinar prioridades de atendimentos com seus respectivos códigos. O uso de matrizes de prioridade. A montagem destas prioridades e sua inserção nas atividades de PCM.

1.4.7    - As Ordens de Serviço.
O que são as Ordens de Serviço e para o que elas servem. Como desenhar uma Ordem de Serviço, caso não exista. Como proceder com as Ordens de Serviço. O que deve cons-tar na Ordem de Serviço. Como e porque estimar o tempo de execução de uma tarefa so-licitada em O.S.. Como proceder com as Ordens de Serviço já executadas. O eventual descarte das O.S. já atendidas.

1.4.8    - O Registro e a Guarda da Informação e os Históricos:.
O Histórico de Equipamentos e de Manutenção. Como e porque fazer um Histórico de Equipamentos ou de Manutenção: com o uso de Fichas de Equipamentos ou com o uso da informática. O que registrar e o que não registrar. O que arquivar. O que descartar e quando. Cuidados no descarte da informação e de históricos de manutenção. Exercício de Montagem de Histórico a partir de Ordens de Serviços diversas. Exercício de montagem de relatório de manutenção, a partir de histórico, com o uso de filtros.

1.4.9    - Programação dos Trabalhos.
Noções de diagramas de Gantt e PERT. Quando é possível o uso do programa MS. Pro-ject e similares como ferramenta de programação dos trabalhos de manutenção. Exercícios.

1.4.10    - Os Procedimentos de Manutenção Padrão.
O que são os Procedimentos de Manutenção Padrão, para que servem e como organizá-los. Os cuidados ao fazer um Procedimento de Manutenção Padrão para evitar acidentes e tornar as tarefas seguras. Como codificar os PMP. O PMP e a certificação ISO 9000, ISO 14000 e as cGMP. Os documentos a nível Estratégicos, a nível Organizacional e a nível Setorial. Exercício com montagem dos campos básicos para preenchimento de um PMP e sua inserção no Manual de Organização de Manutenção.

1.4.11    - Programa Mestre de Manutenção Preventiva.
O que é um Programa Mestre de Manutenção Preventiva Sistemática e por que fazer um.
A montagem de um Programa Mestre de Manutenção Preventiva Sistemática em base de tempo calendário, usando base horas de funcionamento ou quantidade de produção.
Determinação de estratégia adequada e as justificativas para cada tipo de máquina citada no exercício.
Balanceamento de mão de obra, por processo manual usando formulário adequado e usando microcomputador e uma planilha.
Programando a preventiva em anos de 48 ou 52 semanas.
Programando com hierarquia e sem hierarquia.
Programando para empresas de produção contínua, sazonal ou com paradas para férias coletivas.
As opções de programação para compatibilizar com as necessidades da Operação e da Manutenção Produtiva Total (TPM).  Análise dos dados programados através de gráficos das planilhas. Exercícios.

1.5    - ÍNDICES E ÍNDICES DE MANUTENÇÃO.
Indicadores e Índices de Manutenção. Para que servem.
Como determinar os que serão usados dentro da missão da empresa e das necessidades dela. Determinação dos seus KPIs e de seus KPPs.
Índices e a Teoria da Qualidade e do TQC.
O que são Indicadores de Capacitação, de Desempenho e de Performance.
Exercício para desenvolver indicadores adequados para situações especiais.

1.5.1    - Indicadores de Capacitação de Pessoal e de Capacitação das Instalações.
O que são e como usar. Diversos indicadores para uso na empresa.

1.5.2    - Indicadores de Capacidade Produtiva.
O uso dos indicadores para determinar a capacidade de produção, sobre a qual a manu-tenção deverá cumprir a sua função, incluindo noções de OEE e TEEP.


1.5.3    - Indicadores de Desempenho de Máquinas em Manutenção.
Os índices mais usados com exemplos de MTBF, MTTF, MTTR, MTRF etc.
Diversos modos de calcular a Disponibilidade.
Montagem de um modelo para cálculo destes indicadores.

1.5.4    - Indicadores de Desempenho de Mão de Obra.

Detalhamento dos mais usados, incluindo Backlog, Absenteísmo, Idade média da equi-pe, Tempo de casa, tempo para aposentadoria. Eficiência da Programação, e outros indi-cadores e índices normalmente usados.


1.5.5    - Indicadores de Desempenho Financeiro da Manutenção.
Introdução à teoria de custos em manutenção.
Apresentação e detalhamento dos principais indicadores financeiros usados, com apre-sentação dos valores compilados no Documento Nacional da Abraman edição 2009 e anteriores. Montagem e discussão de um sistema de Custos com um exercício no modelo proposto.

1.5.6    - Indicadores de Gerência de Material e de Sobressalentes.
Sugestão de uso de alguns indicadores para nortear a manutenção em sua necessidade de sobressalentes, na necessidade de continuidade operacional e o empate de capital da empresa em itens de almoxarifado.

1.6    - GESTÃO DE INFORMAÇÃO - RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO.
Diversos tipos de relatórios: relatórios para Gerência de Ativos Físicos (Máquinas), Gestão de Ativos Humanos (Mão de Obra), Gestão de Estoque e de Material, Gestão de Ativos Financeiros (Custos), Gestão de Ativos Intangíveis (Backlog, entre outros) etc.. Gestão de Informação e quais dados usar em relatórios para cada nível hierárquico. Escolha de Índices mínimos para levantamento mensal. Medição de performance de equipes de manutenção e levantamento de seus Índices de Manutenção. Exercício de confecção de um relatório típico.

1.7    - EXERCÍCIO DE FECHAMENTO.
Exercício extenso em empresa hipotética do segmento industrial, com escolhas de estra-tégias adequadas para cada fase apresentada no exercício e com cálculos e determina-ções de índices importantes para fixação dos conceitos.
Cálculo dos principais Índices e Indicadores classe mundial: MTBF, MTTF, MTTR, MTRF, CONF, DISP e uso de gráficos sobre estes indicadores, para avaliar as mudanças intro-duzidas.
Comparação dos valores obtidos com as médias do segmento escolhido, comparação com outros segmentos, usando como base o Documento Nacional da Abraman ano 2009 e anteriores.


DATA
  21 a 24 de setembro de 2015
Curitiba - PR

HORÁRIO
08:00 às 17:30h    (32 horas/aula)

TAXA DE INSCRIÇÃO
SÓCIO ABRAMAN : R$   1.600,00
NÃO SÓCIO:            R$   1.900,00

LOCAL DE REALIZAÇÃO
ABRAMAN FILIAL VII PR/SC - Rua Emiliano Perneta, 174 / 6º andar - Centro - Curitiba - PR

CERTIFICADO
Será fornecido certificado aos participantes com 80% de freqüência.

INSCRIÇÃO
A taxa de inscrição inclui material de apoio, apostila, certificado e coffee-break.
O almoço não está incluído no preço da inscrição, no entanto, existem várias opções de restaurantes e lanchonetes nas proximidades do local do curso que serão informados aos participantes.
 Clique aqui e faça sua inscrição!

INFORMAÇÕES GERAIS
INSCRIÇÕES:

As inscrições serão recebidas até 72 horas antes do início do evento, de acordo com as vagas dis-poníveis.  Os interessados em participar do curso deverão efetuar sua inscrição diretamente através do site da Abraman.

FORMA DE PAGAMENTO:

  •  Boleto Bancário (validade de 5 dias corridos)
  •  Nota Fiscal Contra Apresentação (Pessoa Jurídica)
  •  Faturado 30 dias após o Eventos (Pessoa Jurídica)

Obs.: Sua inscrição será efetivada após confirmação do pagamento

IMPOSTO DE RENDA:
De acordo com a Lei n° 9532, art.15°, da Secretaria da Receita Federal, aprovada em 10 de de-zembro de 1997 e publicada no Diário Oficial da União no dia 11 de dezembro de 1997, a Associação Brasileira de Manutenção ? ABRAMAN inscrita sob o CNPJ 28.718.393/0001-92, está enquadrada entre as instituições isentas do Imposto de Renda, não cabendo, portanto, qualquer retenção sobre as taxas de inscrição.

CANCELAMENTO:
Não será aceito cancelamento de inscrição, porém poderá ser substituído por outro participante da mesma empresa, desde que comunicado com antecedência por fax ou e-mail.

TRANSPORTE, ALIMENTAÇÃO E ESTADIA:
Correrão por conta dos participantes.  
A Abraman reserva-se o direito de cancelar o curso, caso não obtiver o número mínimo de inscrições.
____________________________________________________________________________________

Associação Brasileira de Manutenção - ABRAMAN
Filial VII - PR/SC
Rua Emiliano Perneta, 174 ? 6º andar - Centro -
80010-050 - Curitiba - PR
Tel. e Fax: 41 - 3322-7818
e-mail: abraman-pr.sc@abraman.org.br
 

VALORES

SÓCIO ABRAMAN : R$ 1.600,00
NÃO SÓCIO: R$ 1.900,00

Associação Brasileira de Manutenção - ABRAMAN
Filial VII - PR/SC
Tel. e Fax: 41 - 3322-7818
e-mail: abraman-pr.sc@abraman.org.br
billig nike air max sko
Abraman - Associação Brasileira de Manutenção e Gestão de Ativos
Av. Marechal Câmara, 160 - Sala 320 - Edifí­cio Orly - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
CEP 20020-080 - Telefones: (55) (21) 3231 7005 / 3231 7006 / 3231 7023
Desenvolvido por: